segunda-feira, novembro 30, 2009

CQC #81 - Roteiro


Felipe Andreoli e Rafael Cortez na África do Sul preparando o Especial da Copa de 2010

Band, 22h15 | Para ir ao estúdio: plateiacqc@band.com.br | Contato: cqc@band.com.br

Entre outras:

FINAIS DO BRASILEIRÃO: SPFC x GOIAS; MENGO x CORINTHIANS

LULA, O FILHO DO BRASIL, EM SÃO BERNARDO

CONTROLE DE QUALIDADE

CADEIA DE FAVORES

PASSANDO O ENADE A LIMPO

TOP 5

FILME: É PROIBIDO FUMAR

CQ TESTE: SIMONI

PALAVRAS CRUZADAS: THAMMY x NANNY PEOPLE


Fonte Blog do TAS

sábado, novembro 28, 2009

CQC apresentará Cadeia de Favores 2009



Imagine que um lápis pode mudar o futuro de 150 crianças. Esta é a essência do quadro Cadeia de Favores do programa Custe o Que Custar (CQC), que vai ao ar na próxima segunda-feira, 30/11. O quadro comandado pelo repórter Rafinha Bastos consiste basicamente em localizar uma associação ou Organização Não Governamental (ONG) que ajuda crianças carentes. No local o repórter constata todas as necessidades dessa entidade e com um objeto simbólico de uma das crianças, como um lápis, por exemplo, sai em busca do desejo dos pequenos brasileirinhos.

Nas ruas de São Paulo Rafinha começa a primeira fase da cadeia. Com o lápis em mãos o repórter passa a abordar pessoas e começa aí um troca-troca de objetos. Rafinha sempre terá algo de maior valor e assim por diante.

Em seguida temos a segunda etapa da cadeia. O repórter parte para o encontro com personagens conhecidas do mundo da música, arte, letras, televisão, esporte, cinema e empresarial. Nesta cadeia temos a participação de Ivete Sangalo, Robinho, Romero Britto, Gisele Bündchen, Fernando Meireles, e Ricardo Almeida. Cada qual dando algo pessoal até chegarmos a um empresário que adquiriu tudo que a entidade necessitava.

Como resultado ajudamos a Associação Bloco do Beco, no Jardim São Luiz, zona Sul de São Paulo. A entidade oferece oficinas de música, dança, culinária, artesanato, literatura, costura e esportes para crianças do bairro. A partir desta segunda-feira o Bloco do Beco vai ter uma nova realidade para 150 crianças da comunidade graças a Cadeia de Favores.

Fonte Band

Veja o Trailer do Cadeia de Favores 2009



sexta-feira, novembro 27, 2009

Danilo Gentili ensina a copiar trabalho da internet; veja trecho de livro:




O comediante, publicitário e cartunista Danilo Gentili, do programa "CQC", da Band, contabiliza uma expulsão, 12 suspensões e 78 assinaturas no "livro negro" durante sua conturbada vida escolar.
Com o objetivo de compartilhar com o público essas experiências politicamente incorretas, Gentili acaba de produzir o livro "Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola" (Panda Books, 2009), com lançamento previsto para 8 de dezembro, que oferece 23 lições para que o leitor se transforme em um baderneiro de mão-cheia.
Os capítulos, cheios de ilustrações feitas pelo próprio comediante, ensinam a colar nas provas, chegar atrasado, criar uma doença convincente, colocar apelidos nos colegas, brigar, jogar a culpa no outro, espalhar fofoca e até a não ler livros.
Na lição nº 4, Gentili explica detalhadamente como copiar um trabalho da internet, e diz o que o aluno deve responder caso o professor desconfie de algo "familiar" no texto. Veja, abaixo, as dicas e as técnicas para ludibriar seu mestre e usar o ctrl C + ctrl V a seu favor.
PARA VER ALGUNS TRECHOS DO LIVRO, CLIQUE AQUI!
FONTE: Folha Online

'Beijo, me liga' vira nome de música e de série Teen

O famoso bordão "Beijo, me liga", usado pelo Marco Luque no CQC, virou nome de uma série Teen que vem sendo exibida pelo Canal MultiShow desde o final de Outubro.

'Beijo, me liga' conta história de seis amigos que nunca se desgrudam e que está sempre conectada. O celular, Orkut, Facebook, MSN, Twitter etc.são os principais meios de comunicação da galera jovem que vivem questões comuns do universo adolescente, como festas, pegação, amores, desamores, brigas e tudo mais que um adolescente tem o direito, ou não, de fazer.

A série vem recebendo boas críticas e alcançando repercussão entre o público jovem.

O tema de abertura da série é a música Beijo, Me Liga da Banda santista Aliados
que no início da carreira era chamada de Aliados 13, e teve como integrante por dois anos o guitarrista Thiago Castanho, membro do Charlie Brown Jr., para o qual voltou em Abril de 2005.

Confira o clipe recém lançado:




quinta-feira, novembro 26, 2009

Oscar Filho vai parar no hospital, após show:

Depois de um show com sala lotada na cidade de São José do Rio Preto, interior paulista, o repórter do CQC, Oscar Filho, foi parar no hospital com forte alergia, no último domingo (22).

Questionado no Twitter pelo colega Marco Luque, que divide a bancada da atração da Band com Rafinha Bastos e Marcelo Tas, sobre o que tinha acontecido, Oscar explicou:

"(...). Foi uma alergia que apareceu da nada. Valeu por perguntar!", agradeceu.

Sem perder o bom humor, o humorista ainda falou com um fã, que brincou sobre o motivo da alergia.

"Tinha muita mulher. Fiquei com alergia, porque tava longe delas", finalizou.


Fonte: Site Terra

quarta-feira, novembro 25, 2009

Monica Iozzi: 'Ficar no CQC é o meu foco agora!'


por Fábia Oliveira

Depois de eliminar 28 mil concorrentes e conquistar a vaga de oitava integrante do humorístico da Band CQC, Mônica Iozzi vive um momento de incerteza profissional. O contrato da repórter com o programa termina em dezembro e ela ainda não foi chamada para conversar sobre a renovação.

"Por enquanto, sei que fico até o fim do ano. Existe um aceno do programa para que eu permaneça, mas nada foi formalizado", diz.

Em janeiro, Mônica viaja para a Austrália. A intenção é aperfeiçoar o inglês e ainda fazer cursos de teatro e cinema. "O CQC entra em férias e a gente volta no comecinho de março. Isso se eu voltar, né?", observa a moça, que entrou no programa em outubro.

Mônica sabe de suas deficiências em relação aos outros sete integrantes da turma, que estão familiarizados com a função de repórter de TV. "Sei que ainda não estou no nível dos meninos, mas me esforço para chegar lá. Ficar no programa é meu foco agora", avisa.

A oitava CQC é atriz, formada pela Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp. Apesar disso, ela jura que não entrou no programa imaginando projeção nacional. "Nunca pensei em tirar proveito do que o CQC podia me dar ou para ficar na mídia", vocifera.

A oitava CQC já passou por algumas intempéries durante as reportagens. Durante uma festa de uma famosa revista, Mônica saiu da produtora com uma lista de celebridades para entrevistar. Quando chegou lá, viu que boa parte das pessoas que estavam programadas simplesmente não apareceram. E, quem deu as caras, não quis falar com ela. "Fiquei mal e liguei pro Rafael Cortez, que se tornou um grande amigo. Eu estava chorosa e ele me disse que isso é recorrente, faz parte", lembra.

E deve ser mesmo. Afinal de contas, antes dessa fatídica festa, Mônica teve um entrevero com Flora Gil, mulher do cantor e político Gilberto Gil. "Ela não queria que o Gil falasse com a gente", conta. Só que, dessa vez, deu tudo certo no final das contas e ela saiu do show com a entrevista na mão. Mônica diz que fazer parte do CQC não é simples. "Às vezes, tenho 30 segundos para driblar um segurança e fazer uma pergunta genial para alguém. Isso é muito difícil e eu estou aprendendo ainda", admite.

Outra dificuldade enfrentada por Mônica foi aprender a lidar com as câmaras. Mesmo tendo feito seis curtas e um curso de interpretação para TV e cinema, ela ficou ressabiada. "A sorte é que o CQC é bem o que todo mundo vê. É na cara e na coragem", diz.

Mas nem tudo é pedreira na vida da repórter. Dia desses, ela ganhou três beijinhos - no rosto - do compositor Chico Buarque. Por conta do feito, Mônica viu seu twitter ser bombardeado por recados do público feminino. "Eu disse que estava representando todas as mulheres do Brasil e pedi um beijo. Ele deu dois. Eu pedi mais um e ele deu", rememora.

O fato de estar cara a cara com um ídolo da música popular brasileira deixou Mônica paralisada. Um produtor foi quem a trouxe de volta à realidade. "Chico parou e ficou me olhando. Eu pensava: 'Chico Buarque está olhando pra mim'. Aí, o produtor disse: 'vai lá' Eu tinha esquecido por alguns segundos que eu estava ali", diverte-se.

Entrevistar a atriz Fernanda Montenegro é uma meta a ser cumprida por Mônica. "Acho que todas as profissões têm seus gênios. Na minha, ela é esse exemplo de atriz, mulher e mãe", elogia.

Quase o Superman

A vida de Mônica mudou pouco com a fama. Por aparecer na tevê sempre de terno, ela quase não é reconhecida nas ruas. E, quando alguém lembra que ela faz parte do CQC, esquece seu nome. "Escutei duas senhoras falando num shopping: 'Aquela não é a coisa Iozzi'", ri.

Quando está sem o figurino do programa, a repórter anda de ônibus, vai à padaria e à farmácia sem causar tumulto. Mas quando coloca o figurino do programa... "Estou vivendo um momento Superman da minha vida. Quando estou de vestidinho, sou o Clark Kent. Com o terninho, viro o Superman", brinca.

A beleza da moça fica mais evidente quando está sem o figurino do programa. Mesmo assim, ela afirma não acreditar que sua beleza tenha ajudado a derrotar os 28 mil inscritos no concurso para a escolha do oitavo integrante da produção. "Eu gosto de mim, mas bonita mesmo é a Letícia Sabatella", garante Mônica, que tem 1,74 m e pesa 61 kg.

Instantâneas

# Mônica nasceu em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Sempre que pode, ela vai visitar a família em sua cidade natal. A última vez que ela viu os parentes foi no último dia 2 de novembro, data em que a moça completou 28 anos. "Fizemos uma festinha lá em casa", conta.

# A mãe de Mônica ligou muito preocupada para a filha assim que uma de suas reportagens foi ao ar. Numa entrevista com Daniela Mercury, a repórter deu uma cantada na cantora. "Tive de explicar que foi uma brincadeira", relembra.

# Apesar de trabalharem juntos, Mônica tem pouco contato com os outros membros do CQC. "As pessoas acham que moramos em uma república e vivemos juntos o tempo todo, mas não é assim", pondera. Na realidade, cada repórter recebe a sua pauta e vai sozinho fazer sua matéria.

# Antes de entrar no programa, Mônica trabalhou como balconista de uma livraria. "Eu atendia no setor de artes plásticas e, por isso, aprendi a reconhecer as grandes obras", analisa.

Fonte Terra

E nós esperamos que seu contrato seja renovado o quanto antes Monica!

segunda-feira, novembro 23, 2009

CQC #80 - Roteiro



Band, 22h15 - Para ir ao estúdio: plateiacqc@band.com.br - Contato: cqc@band.com.br

Entre outras:

BOTAFOGO x SP // FLAMENGO x GOIAS

PREMIO QUALIDADE NA TV

PROTESTE JA: FALTA D'AGUA

LULA, O FILHO DO BRASIL

BRASÍLIA: CRISTINA KIRCHNER

TOP 5

CAMPANHA AIDS

CQ TESTE: GEISY DA UNIBAN

FILA DE TEATRO

PALAVRAS CRUZADAS: ANTERO x AMIGÃO

Críticas, comentários e sugestões são bem-vindas!

Fonte Blog do TAS

sexta-feira, novembro 20, 2009

CQC terá Geisy da Uniban no CQTeste desta semana


Créditos da Imagem @fc_CQC_CE


Veja os destaques do CQC desta semana:

Rafa no Botafogo x São Paulo e Felipe no Flamengo x Goiás
Na reta final do Brasileirão o CQC faz jornada dupla e vai cobrir os dois jogos mais importantes do final de semana.

Felipe no Prêmio Qualidade
Felipe foi ao Rio pra receber mais um prêmio para o CQC. Numa festa cheia de globais o CQC foi o único premiado que não pertencia a "poderosa".

Rafa no Festival de Brasília
Rafa foi na abertura do festival acompanhar a estréia oficial do filme do Lula, um evento pomposo cheio de políticos que teve a presença de Dona Marisa que deu uma palavrinha exclusiva para o CQC.

Rafa com Cristina Kirchner
A presidenta da Argentina volta ao Brasil pra tentar melhorar as relações comerciais entre os dois países. Mas quem ela encontra em Brasília é um Rafael Cortes cheio de amor pra dar.

CQTeste "Geisy da Uniban"
O CQTeste dessa semana traz uma anônima que virou celebridade instantânea. Geisy da Uniban topou encarar Rafa Cortez pra provar que não chama atenção somente por suas pernas.

Fonte E-Band

CQC vai ao ar até 28 de dezembro; programa entra em férias e só volta em março:


O "CQC", da Band, vai entrar de férias. O último programa do humorístico vai ao ar no dia 28 de dezembro e, depois, só volta em março de 2010. O repórter Oscar Filho, ou "pequeno pônei", como é chamado por Marcelo Tas, já tem planos para janeiro e fevereiro. "Vou pegar todo o dinheiro que ganhei neste ano e comprar uma Brasília, sonhar que eu estou andando de bermuda nas Bermudas e ficar de férias do 'CQC'", brinca. No lugar da produção a Band ainda não confirma qual programa vai entrar no horário. Exceto na primeira semana de janeiro quando a emissora exibe a minissérie "Tsunami", produzida pela HBO.


quinta-feira, novembro 19, 2009

CQC de 2ª e 5ª feira em Dezembro



A Band exibirá duas edições do “CQC” numa mesma semana de dezembro. Uma será no formato clássico, exibida na segunda (7), e a outra só com matérias sobre a Copa, na quinta (10).

Felipe Andreoli e Rafael Cortez irão embarcar na próxima 5ª feira para a África do Sul para preparar o Especial da Copa. Os dois  irão acompanhar como estão as obras nas cidades que sediarão partidas da Copa do Mundo. Ao total serão visitadas pelos meninos do CQC cerca de nove cidades do país.

"Eu vou levar o Rafael comigo para dar lições de futebol a ele. Dizer que são 11 de cada lado, que o de preto é o juiz. Porque, o Rafael, se você jogar a bola, ele pega com a mão", brinca Felipe Andreoli, sobre o colega de viagem, Rafael Cortez.

Fonte Outro Canal

quarta-feira, novembro 18, 2009

CQC grava especial na África do Sul:

Os repórteres Felipe Andreoli e Rafael Cortez, integrantes do “CQC“, viajarão para Johannesburgo e Cidade do Cabo, a serviço da Band. Além dessas, devem passar ainda por outras nove cidades.

Segundo a coluna Outro Canal, assinada por Sílvia Corrêa, o CQC irá à África do Sul na próxima semana para mostrar o andamento das obras na sede da Copa de 2010.

As gravações irão ao ar no dia 10 de dezembro, em um programa especial, somente com reportagens feitas na África.
Fonte: Tv Aqui

Danilo Gentili continua no CQC


 Temos recebido várias perguntas no Twitter sobre a permanência do Danilo Gentili do CQC. Na semana passada não se falava em outra coisa: "Danilo Gentili conversa com a Record", "Danilo Gentili estuda proposta para trocar de emissora". Por conta das especulações, o próprio Danilo Gentili deu algumas twittadas brincando com as especulações:

2010 SERÁ DIFERENTE! ASSINEI CONTRATO C/ OUTRA EMISSORA! Sou o novo narrador da ESPN. Obrigado todos vcs q acreditaram no meu talento

Pessoal! Brincadeira o negocio da ESPN. Eu assinei sim c/ outra emissora. E com a FOX. Serei o novo Homer Simpson em 2010. Me desejem sorte!

OFICIAL: CONTINUAREI NA BAND MAS SAIREI DO CQC. Ganhei papel de destaque em Emanuelle. Obrigado a todos q acreditaram no meu talento.

REAL MOTIVO PQ NÃO ASSINEI C/ RECORD: Eu queria participar da Fazenda mas eles disseram q meu lugar era no Zoológico.

Então, para quem ainda tinha dúvidas, o capeta em forma de Guri continuará no CQC em 2010.

segunda-feira, novembro 16, 2009

CQC #79 - Roteiro


 ilustra  www.arionauro.com.br 
 

Entre outras:

PROCURANDO MADONNA
SHIMON PEREZ
TROFÉU RAÇA NEGRA
PROTESTE JÁ: INUNDAÇÃO
FESTIVAL DE CINE DE MANAUS
TOP FIVE
A NOITE DO APAGÃO
FESTA DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA
CQ TESTE: PAULO BARBOSA
EDMILSON E OUTROS BOLEIROS CONSCIENTES
PALAVRAS CRUZADAS: GRETCHEN x MULHER MELÃO

Críticas, comentários e sugestões são bem-vindas!

Fonte Blog do TAS

sábado, novembro 14, 2009

Uma análise técnica da fatídica detenção do repórter Danilo Gentili

Recebemos via email uma análise da Equipe Gamil Föppel Advogados Associados sobre a prisão do Danilo Gentili em Assis SP. Ontem a Viviane Pereira postou um texto sobre o acontecido aqui no Blog mas o texto abaixo contém uma análise técnica completa sobre o ocorrido.

Segue o texto na íntegra:


Uma análise técnica da fatídica detenção do repórter Danilo Gentili

Por
Gamil Föppel
Renata Ferrari


Conhecidos por uma atuação, no mínimo, inusitada, os repórteres do programa CQC, que vai ao ar pela emissora Bandeirantes, às segundas-feiras, habitualmente insurgem-se em situações também inusitadas, norteadas por um humor e por uma ironia refinados.

Munido das características inerentes à atuação dos repórteres do referido programa, Danilo Gentilli visitou, no último dia 31 de outubro, a cidade de Assis, em São Paulo, para gravar um programa que iria ao ar em 09 de novembro, a respeito de uma nova política implantada naquela cidade, conhecida como “Política da Tolerância Zero”.

A polícia militar de Assis teria sido instruída a fazer cumprir a lei punindo os indivíduos enquadrados na situação prevista no artigo 59 da lei de Contravenções penais, que possui a seguinte redação:

Art. 59. Entregar-se alguém habitualmente à ociosidade, sendo válido para o trabalho, sem ter renda que lhe assegure meios bastantes de subsistência, ou prover à própria subsistência mediante ocupação ilícita: Pena – prisão simples, de quinze dias a três meses

Alguns esclarecimentos de ordem técnica acerca da mencionada contravenção penal devem ser feitos. Inicialmente: não se trata de um crime. O direito penal brasileiro prevê duas categorias distintas para classificar os ilícitos penais, que variam de acordo com a gravidade do fato tipificado. A conduta que levou Danilo Gentili à delegacia, portanto, é tratada no Direito pátrio como uma contravenção penal.

Mas a peculiaridade desta previsão legal não se esgota em sua classificação. Ressalte-se, oportunamente, ter sido, a Lei de Contravenções Penais, publicada em 1941, quando estava em vigor a famosa constituição de 1937, outorgada pelo então presidente Getúlio Vargas, inaugurando a chamada Ditadura do Estado Novo. Referido texto constitucional implantou uma realidade autoritária, surgida flagrantemente para beneficiar determinada parcela da população.

Um breve e necessário esclarecimento: a legislação de cada época da história de um país varia de acordo com a realidade que vigora naquele momento. A constituição, por sua vez, é a lei máxima de uma nação, devendo, todo o resto da legislação editada, voltar-se para o texto constitucional, do qual precisa extrair o seu fundamento de validade. A conclusão é lógica e bem simples: as leis editadas sob a égide da Constituição de 1937 deviam seguir o sistema implantado pelo texto constitucional, eminentemente autoritário. Não foi diferente o que aconteceu com a Lei das Contravenções Penais, em 1941.

Pois bem. Os anos passam, as constituições surgem – ao todo, já tivemos nove – , novos sistemas e realidades se instauram e algumas leis permanecem formalmente em vigor. E aí é que mora o problema. Hoje, quando o legislativo que nós elegemos edita uma nova lei, ela esbarra num procedimento previsto no texto da Constituição (a nossa atual, de 1988), no qual é prevista inclusive uma comissão somente para analisar a constitucionalidade da proposta, para que não seja publicada uma lei que viole o texto constitucional. Ressalte-se que não apenas esta comissão, mas todo o poder legislativo, na edição de uma lei, deve observar com cuidado se estão presentes ali os fundamentos previstos na Constituição. E as razões são simples.

Mesmo com um procedimento cuidadoso, muitas vezes é editado um diploma legal em desacordo com a constituição em vigor. Uma lei que surja em descompasso com o texto constitucional é desconsiderada, não devendo ser aplicada por qualquer juiz ou tribunal. Mesmo que ainda não tenha havido o procedimento formal de reconhecimento da inconstitucionalidade de uma lei (uma ação específica, chamada “Ação de Direta de Inconstitucionalidade”, processada no Supremo Tribunal Federal), aos juízes é autorizado, e deles se espera, a não aplicação desta lei.

A Lei das Contravenções Penais, que data de 1941, todavia, não pode ser chamada de inconstitucional. Isto porque, no momento em que surgiu, ela se coadunava com a realidade implementada pela constituição de 1937. Ocorre, no entanto, que no sistema jurídico proposto pela constituição de 1988, o crime de vadiagem já não possui mais espaço, não se coaduna com a nossa realidade constitucional atual. É um expediente conhecido no direito como “não recepção”. A lei, que era constitucional quando foi editada, não foi recepcionada por esta nova realidade, mormente a inaugurada pela nossa constituição de 1988, democrática a ponto de ser chamada de “Constituição Cidadã”.

Estamos, então, diante da seguinte situação: temos uma lei, em pleno vigor, já que nenhum procedimento formal retirou a eficácia do diploma legal, mas que, em razão de não ter sido recepcionada pelo texto da constituição, não merece aplicabilidade.

Mas agora vem a pergunta: e por quê a contravenção de vadiagem não se coaduna, não respeita, não está de acordo com o texto da Constituição de 1988? São tantas as razões...

A constituição de 1988 tem como um dos grandes pilares o princípio da isonomia, também conhecido como princípio da igualdade, que proíbe tratamentos diversos entre os indivíduos. Aquela máxima já conhecida de que todos são iguais perante a lei. Pois bem. Voltemos ao texto da contravenção de vadiagem.

Art. 59. Entregar-se alguém habitualmente à ociosidade, sendo válido para o trabalho, sem ter renda que lhe assegure meios bastantes de subsistência, ou prover à própria subsistência mediante ocupação ilícita: Pena – prisão simples, de quinze dias a três meses

Através de um exemplo bastante simples pode-se inferir a violação ao princípio da isonomia: se um sujeito rico entrega-se à ociosidade sendo válido para o trabalho, ele não é punido, já que não se enquadra no resto do dispositivo, que exige que o contraventor não possua renda que lhe assegure meios bastantes de subsistências. Ao revés, um cidadão efetivamente pobre, que se encontre na mesma exata situação narrada para o sujeito rico, será enquadrado na hipótese, já que ele não possui renda que lhe assegure meios bastantes de subsistência. Quanto ao princípio da igualdade, já não é preciso falar mais nada. Trata-se de uma discriminação odiosa, que permite o ócio à parcela mais abalizada da população.

Além disso, saindo um pouco da análise constitucional e voltando os olhos para o direito penal, considerar crime o fato de uma pessoa “entregar-se habitualmente à ociosidade” fere os postulados mais básicos do direito criminal. Pois bem. Inicialmente, cumpre esclarecer que o direito penal, de acordo com o Estado Democrático em que vivemos, deve ser utilizado como ultima ratio. Tal utilização implica o reconhecimento de que, somente se recorre ao extremo de criminalizar (ou tornar contravenção) uma conduta, quando ela realmente justificar a incidência do direito penal.

Isto porque, por meio da aplicação deste ramo do direito, restringe-se o que há de mais valioso na vida do indivíduo: a sua liberdade. É por isso que, antes de recorrer ao direito penal, deve-se buscar, nos outros ramos do direito, uma forma de contornar e solucionar aqueles problemas. Não me parece ser necessária uma insurgência penal para o fato de o sujeito entregar-se ao ócio – talvez o Direito Administrativo, regulando uma atuação positiva do Estado, com uma política de geração de emprego – pegando carona no Direito do Trabalho, talvez. Mas criminalizar o ócio não pode ser o caminho mais acertado.

Junte-se a isso mais uma característica do direito penal: pune-se a conduta e não o sujeito. Isto é: o direito penal é do fato, não do autor. Ora, mas a contravenção trata da conduta de “entregar-se ao ócio”. Sim, de fato. Mas o texto legal não se esgota por aí, e restringe a aplicação da contravenção para aqueles que não possuem renda suficiente para subsistência: neste instante, passa-se a punir o sujeito pelo que ele é, e não pelo fato que cometeu.

Por todas estas razões, a contravenção penal de vadiagem não pode ser aplicada. Com isso, não mereciam ser encaminhados a delegacia todos os indivíduos de Assis que se enquadraram nos requisitos do artigo, bem como o repórter, Danilo Gentilli, que foi detido de acordo com uma lei que, em verdade, não deveria ser aplicada.

A despeito disso, a as autoridades públicas da cidade de Assis, em São Paulo, resolveram, não apenas determinar a aplicação da lei, mas instituiu um regime de “Tolerância Zero”. Ao contrário do que se possa imaginar, a escolha do termo que designou o regime de exceção implementado na cidade também possui referências jurídicas.

A política de “Tolerância Zero” surgiu nos Estados Unidos, em meados da década de noventa, sendo conseqüência de um estudo que culminou a criação da chamada broken windows theory (teoria das janelas quebradas). Essa teoria utiliza-se de uma metáfora bastante simples na busca de um meio de diminuir a criminalidade. Os fundadores da referida teoria sustentavam o seguinte: se uma janela de um edifício ou de um escritório fosse quebrada e não fosse imediatamente consertada, aos olhos daqueles que passassem nas redondezas do estabelecimento, este seria descuidado, que não havia autoridade para a manutenção da ordem naquele local. Em pouco tempo, os transeuntes também se insurgiriam contra as outras janelas – já que não notaram cuidado ou mesmo um meio que os inibisse de tal prática. Com o passar do tempo, com uma grande quantidade de janelas quebradas, iniciando a decadência daquele prédio, daquela rua, daquele bairro...

De fato, houve sucesso na implantação da política de tolerância zero na cidade de Nova Iorque. Isto porque, tratou-se de uma medida muito mais ampla, que se ocupava também de outras formas de proteção à criminalização, que, por óbvio, não se esgotava na punição de qualquer quebrador de janelas. Ao lado disso, as autoridades previam uma série de medidas outras, que contribuíram para a diminuição da criminalidade.

Obviamente, as autoridades públicas de Assis não importou a integralidade da política novaiorquina. Pegou emprestada apenas a idéia mais evidente da referida política e resolveu iniciar um sistema desenfreado de fiscalização e punição. É uma política de tolerância zero à brasileira, que busca responsabilizar supostos criminosos sem voltar-se para os problemas da origem da criminalidade. Tapar o sol com a peneira: aquela velha mania do brasileiro de contentar-se com medidas paleativas.

Voltemos à Assis.

A peculiaridade da situação ocorrida com Gentilli não se esgota aí. Para quem teve oportunidade de assistir à reportagem (e quem não teve, o faça), percebeu que ele foi constrangido a obedecer ordens dos policiais – que variavam entre determinações impossíveis (colocar as mãos na cabeça quando estavam imobilizadas), e excessos na atuação dos policiais, que, em tese, teriam abusado do poder que o Estado lhes deu. Além disso, sem que demonstrasse qualquer resistência a ser encaminhado para delegacia, o nosso repórter foi algemado. Mas vamos por partes.

Respondendo de formas simples às indagações dos policiais, o repórter é logo surpreendido com um, nada carinhoso “você está de gracinha” conjugado com um empurrão que começou a assustá-lo. A abordagem dos policiais machucou a mão do repórter, que insistia apenas estar trabalhando. Em seguida, o repórter solicita que os policiais não se excedam, aduzindo que machucá-lo não fazia parte do exercício da atividade policial. Neste instante, os policiais dão ordem de prisão a Gentilli, pelos delitos de desobediência e desacato.

Ilegal a ordem de prisão por desobediência. Primeiro que não houve, no caso, a prática de desobediência (que consiste no descumprimento de uma ordem legal de uma autoridade pública – embora houvesse autoridade pública, não houve qualquer descumprimento, porque não houve qualquer ordem e, ainda, em razão de toda a atuação dos policiais ter sido excessiva e ilegal).

Por desacato, porém, de fato poderiam ter realizado a prisão em flagrante do repórter, mesmo que razoavelmente não se verifique qualquer conduta do repórter que desacate a autoridade do policial. Ora, e como poderiam prendê-lo? Simples. O delito de desacato tem a sua redação simples e direta. É crime desacatar alguém. Quem está sendo desacatado irá fazer o juízo de valor e determinar o que pode configurar tal delito. É um expediente perigoso – mas não tão incomum – presente no direito penal, em que utilizam-se expressões vagas e imprecisas, violando os princípios da legalidade e taxatividade penal – que existem exatamente para não deixar dúvidas quando da verificação de um delito, exigindo clareza, objetividade e, sobretudo, suficiência na previsão legal.

Agora, às algemas.

Sempre foi um tema bastante debatido, embora a importância justifique o debate, a simplicidade que deveria caracterizar o instituto deveria dispensá-lo. Qualquer criança que for indagada acerca da função de imobilizar as duas mãos de uma pessoa, juntas e para trás, responderá que se trata de um expediente a fim de limitar a liberdade de locomoção do indivíduo. Pois bem. Da infantil resposta decorre a necessidade da utilização das algemas, que precisou que fosse editada um dispositivo da Súmula Vinculante do Supremo Tribunal Federal, o de nº 11, que afirma somente ser permitida a utilização das algemas quando estritamente necessárias e mediante justificativa escrita.

Os policiais condutores, ao depararem-se com indivíduos que apresentem resistências em serem conduzidos à delegacia, podem – e devem – algemá-los e, ao chegar na delegacia, devem fundamentar por escrito a utilização de tal instrumento.

O nosso repórter não mostrou resistência à condução à delegacia, tampouco obstou o desempenho das atividades policiais e, mesmo assim, foi algemado quando da sua condução – a despeito de desnecessárias as algemas, não só segundo a conclusão infantil, mas conforme manifestação do Supremo Tribunal Federal.
Ao chegar na delegacia, identificou-se como repórter do programa CQC e conversou com o delegado, que prestou esclarecimentos sobre a importância da política de tolerância zero implantada pela na cidade de Assis.

Foi, enfim, liberado.

Esclarecimento necessário: não foi lavrado auto de prisão em flagrante, tampouco registrada qualquer ocorrência em desfavor do repórter.

Esclarecimento necessário, parte 2: não se está criticando a atuação ou atribuindo qualquer prática delitiva aos policiais envolvidos no incidente, cuja identidade é desconhecida.

Esclarecimento necessário, parte 3 – e a mais importante: o lamentável de tudo isso é imaginar que só tivemos acesso aos atos que agora comentamos em razão de o repórter ter se submetido à fantasiosa situação acima descrita – no exercício das suas funções jornalísticas. O problema, mesmo, está naquelas pessoas, para as quais aquela situação vivida por Gentili não tem nada de fantasiosa, para as quais a pobreza é cruelmente real, e que podem ter sido submetidas a constrangimentos ainda piores – sem que ninguém tenha voltado os olhos para elas.

“Vai trabalhar, vagabundo
Vai trabalhar, criatura
Deus permite a todo mundo
Uma loucura
Passa o domingo em familia
Segunda-feira beleza
Embarca com alegria
Na correnteza”
Chico Buarque – Vai trabalhar, vagabundo.


sexta-feira, novembro 13, 2009

Entenda a Lei que pune a Vadiagem em Assis



Está no artigo 59 da Lei de Contravenções Penais de 1941. Ficar sem fazer nada, sendo apto para o trabalho, é considerado vadiagem. A pena para esse tipo de contravenção é prisão de 15 dias a três meses.


Esta é a lei que levou o  Danilo Gentili para a cadeia em Assis, interior de SP como vimos na matéria CQC Investiga da última 2ª feira.


Em Assis, a aplicação da lei da vadiagem não é imediata. Quem for pego vadiando tem um mês para parar de vadiar. Por exemplo, quem for parado em uma blitz ou abordado na rua pela polícia e não tiver ocupação profissional será fichado em uma das delegacias da cidade. A pessoa  é encaminhada para uma perícia médica e se for considerada apta a trabalhar tem que procurar emprego. Caso contrário pode ser autuado em flagrante por vadiagem e vai ser recolhido à cadeia pública. A medida foi tomada para conter a violência na cidade.


Eu acredito que a polícia agiu corretamente ao abordar o Danilo Gentili, já que estavam cumprindo a sua função dentro de uma lei que é aplicada na cidade. A polícia também acertou ao conduzi-lo a delegacia, mesmo sabendo se tratar de uma pessoa pública.


Se a lei existe deve ser aplicada, mas é preciso combater abusos. é o que pensa o Presidente da OAB da cidade Paulo José Delchiaro: "Se a polícia está agindo dentro de uma coerência, lógico, isso é legal. Agora o que não pode na verdade é exercer um abuso de autoridade, abuso do poder"
 

Infelizmente, não foi o que constatamos na matéria exibida no CQC da última 2ª. O que vimos foi abuso de poder dos políciais; agressão e truculência desnecessárias. Nem mesmo com a interferência de um transeunte os policiais se intimidaram em continuar as agressões ao reporter.

Sorte do Danilo Gentili de não ser negro em uma hora dessas. 


Fontes de pesquisa Globo.com e Uol 

quinta-feira, novembro 12, 2009

Marcelo Tas responde 50 perguntas

Marcelo TAS fala sobre políticos, CQC e manda um recado para a molecada: Desliguem a TV e leiam bons livros.

Confira!


Marcelo Tas responde com sua habitual ironia a 50 perguntas de O DIA D - POR GABRIELA GERMANO, RIO DE JANEIRO

1- O Dia: Qual era seu xampu preferido quando você tinha cabelo?
Marcelo Tas: Era um antiqueda. De raiva, esqueci o nome.

2- Como você cuida de sua careca para brilhar tanto?
Com KY.

3- Você tem medo do Sr. CQC?
Tenho.

4- Quem é o Sr. CQC?
Eu mesmo.

5- As mulheres o assediavam mais na época de Ernesto Varela (repórter fictício que encarnava nos anos 80) ou hoje, como chefão do CQC?
As mais perigosas e sirigaitas são as que me assediam por causa do Professor Tibúrcio. Um aviso importante: minha mulher é polonesa e muuuuuito brava.

6- Você está lançando ‘Nunca Antes na História deste País’, com frases de Lula. Qual a melhor delas? “Minha mãe era uma mulher que nasceu analfabeta!”

7- E a pior?
“Sarney tem história no Brasil suficiente para que não seja tratado como se fosse pessoa comum”.


8- Você era CDF na escola?
Era, mas minha turma era a do fundão!

9- Quando criança, era um garoto prodígio?
Eu tocava Bach, Mozart e Beethoven (estudei piano dos 6 aos 14 anos); montava em cavalo xucro sem sela; tive meu primeiro grande amor no quarto ano primário e fui suspenso da escola aos 9 anos. Pensando bem, fui um garoto prodígio.

10- Já conseguiu namorar mulher burra?
Claro, algumas deliciosas! Nenhum homem namora com a inteligência da cabeça de cima.

11- Como acha que se sairia no CQTeste?
Mal, como todo mundo. Ninguém escapa às abobrinhas do Rafael Cortez.

12- Pra quem você manda um beijo, me liga?
Para a minha avó Geralda, de Ituverava.

13- De que famoso você é amigo no MSN?
Do Serginho Groisman.

14- Acha a nova integrante, Mônica Iozzi, gostosa?
Ela é um pouco agreste, meio zureta, tem ainda o pé sujo pela terra roxa de Ribeirão Preto, mas dá para o gasto.

15- Para que político atual você faria uma pergunta inconveniente?
Sarney.

16- Qual seria?
Não é contra a lei vigente no país Vossa Senhoria, residente e domiciliado no Maranhão, ser senador pelo Amapá?

17- Um político inteligente.
Raimundo Angelim, prefeito de Rio Branco, Acre.

18- Um político burro.
José Genoíno, Deputado Federal, um homem melancólico que acredita na tarefa inglória de tapar o sol com a peneira.

19- Qual CQC é mais parecido com você na época do Varela?
Visualmente, Rafael Cortez. Varela era meio viadinho e ficava escondendo a calvície, como ele faz.

20- Qual o CQC mais chato?
Para o público, Rafinha Bastos. Para mim, um dos ‘cumpanheros’ mais fiéis e divertidos.

21- E o mais bonito?
Danilo e Felipe até que são bonitos. Mas a modéstia me impede de dizer a verdade.

22- Quando e por que decidiu ficar 100% careca?
Aos 30 anos. O pior da vida do careca são os dias que antecedem essa decisão. Depois, é só alegria.

23- O professor Tibúrcio (personagem de Tas em ‘Rá-Tim-Bum’) apoiaria uma greve de professores? Claro!

24- Qual a primeira coisa que vai fazer hoje, com 50 anos?
Tomar um copo d’água (a balada no dia anterior prometia ser do balacobaco).

25- Já tomou Viagra?
Não, mas tenho curiosidade.

26- Já brochou?
Depende. Sou um homem que respeita o ritmo das pessoas. Ao longo desses anos, algumas minas não fizeram questão de fogos de artifício nem de penetração.

27- Que droga você apoia?
A TV brasileira.

28- Sexo com ou sem amor?
Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Ambos são fundamentais!

29- Sonho de consumo:
Bilhete para uma viagem espacial.

30- Ficaria com ex-BBB? Quem?
Sou um homem comprometido, mas tenho uma quedinha pelo sotaque da Grazi, que infelizmente ela teima em ocultar.

31- Uma mulher inteligente:
Madonna.

32- Você inveja a coleção de óculos de Marília Gabriela?
Não, sou mais os clássicos.

33- As rugas já te incomodam?
Nem um pouco. A passagem do tempo é bem-vinda!

34- Já apelou para o botox?
Sou contra photoshop em todas as situações. Principalmente na cama.

35- Mulher com ou sem silicone?
Sem.

36- Esporte:
Esquiar na neve.

37- Que animal você gostaria de ser?
Um gavião-carijó, de pequeno porte e grande velocidade nos rasantes.

38- Um livro ruim:
A Constituição Brasileira de 1988. Delirante e defasada.

39- Pior programa de TV:
Os que exploram a fé do povo com boletos bancários e promessas de cura instantânea da AIDS.

40- Como foi seu primeiro beijo?
Numa matinê do Cine Regina, em Ituverava, delicioso, tinha 12 anos.

41- Gostaria de ganhar em que moeda?
Qualquer uma, desde que reconheça meu trabalho.

42- Já fez seu pé de meia?
Só o esquerdo.

43- Com quem você ficaria em uma ilha deserta?
Com um bom helicóptero turbinado.

44- Quem você deixaria por lá? Uma multidão de chatos.

45- O que você inveja nas mulheres?
Poder interagir com o bebê na hora do ultrassom.

46- Se fosse mulher, o que faria?
Diria que estou ansioso porque vou ficar menstruada.

47- Tem medo da morte?
Tenho curiosidade e respeito pela dita cuja.

48- O que você depila além da careca?
A minha seriedade, toda segunda, na Band.

49- Uma fantasia não realizada:
Queria pegar a Cleópatra, pena que não deu tempo.

50- Recado para os fãs:
Desliguem a TV e leiam bons livros!

Fonte O Dia Online

quarta-feira, novembro 11, 2009

CQC dá pico de 9 pontos

O CQC teve ótimo resultado nesta segunda-feira, dia 9, alcançando pico de 9 pontos no Ibope, com a exibição da matéria de Danilo Gentili preso em Assis, interior de Sâo Paulo. A média do programa foi de 6,5, resultado que vem acontecendo às segundas-feiras.

As imagens mostram o repórter disfarçado na rua e dois policiais o prendendo por vadiagem, com um forte exemplo da “tolerância zero” que acontece na cidade.



A polícia foi muito feliz, pois, mesmo descobrindo que se tratava de um profissional de rede nacional os Policiais Militares tiveram a coerência de encaminhá-lo a delegacia de Polícia, cumprindo suas funções.

Fonte 45 Graus

terça-feira, novembro 10, 2009

Marcelo 'Multi' TAS


 Ilustração by Ricardo Gimenes


Hoje é aniversário do Marcelo Tristão de Athayde de Souza, vulgo Marcelo TAS ou carequinha do CQC.


Dia do 'Multi' TAS, um  cara que é uma das personagens mais polivalentes da mídia brasileira. Foi repórter, ator, apresentador, roteirista e diretor de diversos programas de televisão e rádio. Agora inclui em seu currículo os títulos de Escritor e Domesticador de Animais Âncora do Melhor Programa da TV Brasileira.


A história do 'Multi' TAS se confunde com a vida de muitos de nós. São quase 30 anos de Comunicação. Seja nas perguntas desconcertantes do protótipo do CQC, o repórter Ernesto Varela, na peruca tenebrosa do Professor Tiburço (Olá Classe!), matando a curiosidade da criançada com o Telekid (Porque sim não é resposta), nas tiradas nada convencionais do Professor Planeta, nas aulas do Telecurso 2000, nos papos do Vitrine, nas entrevistas do Saca-Rolha, na bancada do CQC. 

TAS é engenheiro civil, mas só constrói casinhas no Orkut. A Comunicação foi o estilo de vida escolhido por este inquieto carequinha, que hoje é considerado, o homem multimídia, uma das grandes cabeças da atualidade no quesito "Comunicação".


Sempre antenado em novas mídias, o Comunicador 'Multi' TAS sempre interagiu com o seu público seja através do rádio, internet ou TV, mostrando que é preciso questionar, conhecer, experimentar o novo.


Ao Multi TAS o nosso muito obrigado por ter enriquecido a nossa geração. Por fazer parte da nossa infância, adolescência e maturidade. Por matar nossas curiosidades com o Telekid, nos ajudar a conhecer um mundo novo, a internet, e nos politizar um pouco mais através do CQC.


Parabéns Marcelo "Multi" TAS

segunda-feira, novembro 09, 2009

CQC #78 - Roteiro


Por Nilmar Martins
 
Band, 22h15 | Para ir ao estúdio: plateiacqc@band.com.br | Contato: cqc@band.com.br


Entre outras:

REUNIÃO DOS "CUMPANHERO" DA ESQUERDA

DESPEDIDA DO JOGADOR SORIN

GLOBETES NO LIVRO DE AGNALDO SILVA

CONGRESSO: CONTROLE DE QUALIDADE

LANÇAMENTO DO LIVRO DO LULA

MARCHA PARA JESUS x MARCHA DOS ZOMBIES

CQC INVESTIGA VADIAGEM EM ASSIS

TOP FIVE

LANÇAMENTO DE ZERO BALA

CQ TESTE: AMADO BATISTA

PALAVRAS CRUZADAS: GIAN x GIOVANNI

Fonte Blog do TAS

sábado, novembro 07, 2009

A saga para a Platéia - Por Taiane Tonks:

Sim! Sim! Sim salabim! Saí de Curitiba e fui de viagem a São Paulo... E depois de muito tempo planejando, consegui ir até a platéia CQC...Nesta última segunda (02/11/09). E digo pra vocês, caros leitores do CQC Blog: A experiência apesar de dura, vale a pena! Tá certo, que já faz muito tempo que a platéia deu uma reviravolta legal do ano passado pra cá. Apesar de ser a minha 1ª ida, eu já sabia que várias mudanças tinham acontecido na platéia. Confesso que a maioria delas eu não aprovei, nem eu e nem a maioria dos fãs que vão ao programa. Mas não cabe dizer aqui quais são elas...
Adorei a ida! Logo na entrada, pulseiras são colocadas nas pessoas que vieram pra ver o CQC (Mas antes disso, você tem de conseguir uma vaga para assistir ao programa, e isso na boa, não é fácil.), ficamos aguardando do lado de fora da Band para depois entrar no estúdio. Eu acabei gravando alguns vídeos para mostrar pra vocês, eles estão logo abaixo:





Um pena mesmo eu não ter conhecido a Viviane Pereira, parceira deste blog e amiga. Vivi, espero que da próxima, consigamos nos ver e quem sabe até fazer um vídeo pra galera daqui...Né?

É isso!

sexta-feira, novembro 06, 2009

CQC Spoilers da Semana

Querendo saber o que vai rolar no CQC da próxima 2ª feira?
Então o CQCBlog adianta algumas matérias que devem entrar na pauta do CQC 78

Rafael Cortez na Marcha para Cristo
Rafael Cortez no Zumbi Walk
Felipe Andreoli no lançamento do livro do Edney Silvestre no RJ
Danilo Gentili perturba a ordem no interior de SP e vai preso
Danilo Gentili no Congresso
Monica Iozzi no lançamento do livro do Marcelo TAS

Marcelo Tas é entrevistado por Silvia Poppovic

Confira a história de Marcelo Tas, que fala ainda sobre "Nunca Antes na História desse País", seu livro sobre as pérolas do presidente Lula.

Vídeo no e-Band

quinta-feira, novembro 05, 2009

Marcelo TAS lança livro sobre frases do Presidente Lula



“Nunca antes na história deste país” é um livro escrito por Marcelo Tas a partir de frases originárias do Presidente Lula. Com bom humor e crítica, Tas reuniu durante meses através da mídia e internet as principais colocações do mandatário.


Segundo o autor não se trata de um livro crítico. "Desde já, um alerta aos espíritos inquietos e belicosos. Este não é um livro contra, nem a favor, nem muito pelo contrário... Como qualquer livro de humor é um livro rigorosamente a favor do contra, se é que vocês me entendem...", comenta Tas em sua página no Twitter.


O lançamento oficial será de 4 de novembro, porém o livro já se encontra disponível para reserva.


O livro conta ainda com ilustrações de Ricardo Gimenes, prefácio de José Simão e edição em capa dura da Panda Books.


Acesse também o hotsite especial do livro: www.nuncaantes.com.br

Fonte Portal Vooz

Update


Depois do sucesso à frente do humorístico CQC, Marcelo Tas lança seu primeiro livro, Nunca Antes na História deste País, na livraria Saraiva do Shopping Higienópolis, em São Paulo.


Tas promoveu uma noite de autógrafos dessa quarta-feira (4) e contou com a presença de José Simão, que garantiu um exemplar da obra.

O livro trata-se basicamente de uma coletânea de frases ditas pelo Presidente Lula durante seu mandato, sendo que cada uma delas está relacionada a uma profissão.

"Eu conheci muito mais o Lula depois desse livro, e passei a respeitá-lo", afirmou Tas ao estudante de jornalismo Glauber Macario.

Redação Terra

Confira as fotos do portal Terra





 

quarta-feira, novembro 04, 2009

CQC foi gostosinho!


Destaque para as matérias do Felipe Andreoli com a Stripper Dita Von Teese, Rafael Cortez com o presidente Lula e Oscar Filho no lançamento do filme sobre o Chacrinha.


Felipe Andreoli muito a vontade com a Stripper Dita Von Teese, mostrou seu inglês afiadíssimo e fez perguntas inteligentes para a moça. Nota 10!


Rafael Cortez se divertiu na pauta com os catadores de papel e com o espírito do programa entregou um presente para o "Presida" Custe o Que Custar. O Prefi's Cassi's também queria um relógio do CQC, Cortez! 


Oscar Filho está se firmando e mostrando que a velha forma voltou. A pauta do lançamento do Filme sobre o Chacrinha foi leve, gostosa, com perguntas inteligentes e retóricas ainda melhores. Valeu Pequeno Ponei!


O Proteste Já mostrou um problema bastante grave que ocorre na maioria das capitais do país: abandono de carcaças de veículos em vias públicas.


A reconstituição do telefonema a D. Marisa Letícia também foi muito bem feita e o Top Five muito bem selecionado. Convenção Internacional de Tatuagem (Rafael Cortez) e lançamento de Biografias (Oscar Filho) foram medianas, mas vale ressaltar que o Rafael Cortez se sai bem com pautas onde entrevista anônimos.



Danilo Gentili cobriu o clássico Corinthians x Palmeiras sem muito brilho. Deve ter sido o trauma de ter sido detido no dia anterior na cidade de Assis.


A cobertura do prêmio Bravo! feita pela Monica Iozzi e o Rafael Cortez foi fraca e muito piriguética. Este negócio de ficar dando em cima do entrevistados não funciona.  Depois de uma matéria excelente em Brasília feita pela Monica na semana passada, a pauta deixou os telespectadores que apostam no crescimento da mosquinha decepcionados.


CQTeste foi ... prefiro não comentar! hahahaha



Todos os vídeos do CQC 77 já estão disponíveis no canal do nosso parceiro MircMirc10


Agora é esperar o próximo programa que com certeza será GOSTOSÃO!


*Análise CQC feita por Viviane Pereira

domingo, novembro 01, 2009

CQC #77 - Roteiro



'E hoje é aniversário da Florzinha do Agreste, Monica Iozzi. Parabéns Mosquinha!'

Veja os destaques do CQC desta segunda-feira:

DANILO NO CLÁSSICO PALMEIRAS X CORINTHIANS
Na reta final do Campeonato Brasileiro, Danilo Gentili foi a Presidente Prudente acompanhar o mega clássico Corinthians e Palmeiras , o que não é nada fácil para um corintiano declarado.

RAFA E MONICA NO PREMIO BRAVO
Rafa Cortez e Mônica Iozzi foram em dupla cobrir o Prêmio Bravo de Cultura. O objetivo era tirar uma declaração de Chico Buarque, mas somente um dos dois conseguiu.

FELIPE COM DITA VON TIESE
Felipe Andreoli ficou cara a cara com a maior stripper do mundo no quarto do hotel, e ela revelou que foi a melhor entrevista que fez no Brasil.

RAFA COM LULA EM SP
Rafa Cortez foi ao encontro de Lula num congresso de catadores de recicláveis para levar um presente: Um relógio que desperta toda segunda 22hs para ele não perder o CQC.

CONVERSA COM MARISA LETÍCIA
Semana passada o CQC ligou ao vivo para o Palácio da Alvorada para parabenizar o Presidente por seus 64 anos. Nesta semana o CQC mostra o que acontecia no palácio durante a conversa telefônica. No ar às 22h15.

Fonte eBand

Pautas Especuladas pela equipe CQCBlog:

31ª Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos

Visita dos atores da saga Crepúsculo ao Brasil

Oscar Filho no lançamento do filme sobre o Chacrinha


Update: Roteiro Oficial via Blog do TAS

Entre outras:

A RECICLAGEM DO PRESIDENTE LULA

PALMEIRAS x CORINTHIANS

MONICA PEGA CHICO BUARQUE

ALCKMIN VIRA ATOR DE CINEMA

STRIP DE DITA VON TIESE

TOP FIVE

CQ TESTE: MULHER MELÃO

FILME DO CHACRINHA

CONVENÇÃO DE TATOO

BASTIDORES DO TELEFONEMA AO VIVO COM DONA MARISA

Danilo Gentili é detido em Assis / SP

Danilo Gentili foi detido por perturbação do sossego e desacato a autoridade em Assis (434 km de São Paulo), na tarde deste sábado. Segundo a Polícia Civil, ele estava fantasiado de mendigo gravando uma matéria para o programa na avenida Rui Barbosa, no centro da cidade, e a polícia foi chamada.

De acordo com a polícia, ele foi à cidade para fazer uma reportagem sobre a tolerância zero da Polícia Militar de Assis com os marginais. Um policial pediu que ele colocasse a mão na cabeça para poder ser revistado, mas ele se recusou. Gentili foi levado para a delegacia por volta das 16h, onde então explicou que não podia levantar os braços porque a piruca que estava usando iria cair.

A polícia informou que Gentili estava gritando, perturbando todo mundo e fazendo algazarra quando os policiais chegaram ao local. Segundo a polícia, ele foi liberado da delegacia por volta das 18h. O caso foi registrado no Plantão Policial da cidade.

O integrante divulgou no perfil de seu Twitter que foi algemado e encaminhado a uma delegacia enquanto gravava uma matéria para o programa da Band. "Acabei de chegar da delegacia. Fui algemado enquanto fazia uma matéria pro 'CQC' em Assis. Fiquei umas 4 horas lá", escreveu. O ocorrido deve ir ao ar na próxima segunda-feira (2).

Por e-mail, ele detalhou ao R7 o que aconteceu durante a matéria.
- O que rolou foi que estava fazendo uma matéria sob disfarce, a respeito da tolerância zero, que tem como base um artigo que considera vadiagem contravençao. Saí disfarçado de mendigo para ver a reaçao das pessoas e tentar encontrar alguém que também já passou por isso. A policia chegou, me abordou, fui detido e encaminhado pra delegacia.


fonte:
portal R7

Follow Us

Arquivo do Blog

Comunidade CQC Brasil

Postagens Populares

© CQC Blog - Custe o Que Custar All rights reserved | Theme Designed by Seo Blogger Templates